Moçambique registra cinco novos casos da Covid-19

Moçambique registra cinco novos casos da Covid-19


O número de casos confirmados em Moçambique do novo coronavírus subiu de 65 para 70 no sábado, segundo a Diretora Nacional de Saúde Pública, Rosa Marlene.

Na conferência de imprensa diária sobre a pandemia de coronavírus do Ministério da Saúde, Marlene disse que até o momento 1.575 casos suspeitos foram testados, 136 deles nas 24 horas anteriores, 131 dos últimos testes se mostraram negativos para o coronavírus, mas cinco foram positivos.

Todos os cinco casos eram trabalhadores no campo da empresa francesa de petróleo e gás Total, na Península Afungi, na província de Cabo Delgado, no norte. Os cinco estão agora em isolamento em suas casas em Afungi.

Dos 70 casos positivos diagnosticados até agora, a grande maioria (50) é de Cabo Delgado, todos eles relacionados ao Campo de Afungi. Existem também 15 casos da cidade de Maputo e cinco da cidade vizinha de Matola.

Marlene disse que todos os cinco novos casos são homens. Dois são cidadãos moçambicanos e três são estrangeiros (dois italianos e um turco). Três deles têm entre 35 e 44 anos e um está na faixa etária de 44 a 59 anos. Um dos afetados tem menos de 35 anos.

Todos os cinco são assintomáticos. Eles foram descobertos através do trabalho paciente de rastreamento de contatos, em andamento desde que o primeiro caso em Afungi foi anunciado em 1º de abril.

Mas, além do rastreamento de contatos, foi tomada a decisão de testar todos no campo de Afungi. As principais estatísticas de coronavírus de Moçambique são agora: 70 casos positivos, dos quais nove se recuperaram completamente, e 61 são considerados casos ativos e nenhuma morte.

Mais uma vez, Marlene apelou aos cidadãos para ficar em casa, evitar todas as viagens desnecessárias e usar máscaras nos transportes públicos e em qualquer outro lugar onde um número significativo de pessoas se reúna.

Ela abordou os muçulmanos em particular, porque o país entrou no mês de jejum do Ramadã. Nos anos anteriores, o Ramadã foi caracterizado por multidões nas mesquitas do "iftar", o jantar que interrompe o jejum do dia.

Marlene pediu aos muçulmanos que reduzam o número de visitas às mesquitas e, em vez disso, orem individualmente em casa. Da mesma forma, o jantar deve ser tomado em casa.

Ela também enfatizou a necessidade de distanciamento social - particularmente quando os muçulmanos oferecem "zakah" (presentes de caridade), deve haver uma distância de pelo menos 1,5 metro entre o doador e o receptor.

Fonte: All Africa